quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

ECCOS TV, MAIS UMA EMPRESA QUE APOIA A CULTURA

O Empreendedorismo do Sucesso. O crescimento da Eccos Tv no mercado publicitário
O empresário Christiano Marcus
 Se você frequenta Casas Lotéricas, Padarias e restaurantes, já deve ter se deparado com Tvs publicitárias. É pra elas que olhamos quando estamos nas filas esperando atendimento. Em Arcoverde, a Eccos TV empresa criado em 2014 por Christiano Marcus vem ganhando o mercado e se destacando no setor publicitário. O empresário comemora um ano de sucesso e mostra que desbravar esse setor do mercado tem, valido a pena. 
 O que é a Eccos Tv? A empresa é uma mídia digital indoor que utiliza os televisores em LEC/LCD em locais estratégicos e de grande movimento como hospitais, casas lotéricas, aeroportos e restaurantes para divulgar conteúdo publicitário. A Eccos Tv conta com 27 telas espalhadas em 06 cidades e dois estados Pernambuco e Paraíba. A empresa filiada ACA (Associação comercial empresarial de Arcoverde), atua passando dicas de saúde, clima tempo, horoscopo, notícias de sites nacionais e locais, resultados lotéricos e publicidade das empresas locais, sendo por dia centenas de chamadas por empresa com um vídeo de 20 ou 30 segundos cada.
Segundo Christiano “o projeto está presente nas cidades pernambucanas de Arcoverde, Pesqueira, Buíque, Afogados da Ingazeira, Caruaru e Sertânia, Além de Monteiro na Paraíba”.
Essa empresa tem demonstrado preocupação social e é uma incentivadora da cultura local. Segue pequena entrevista com o empresário Christiano.
Como surgiu a ideia de criar um trabalho com mídia in door?
Christiano Marcus - Através de um amigo do Sul da Bahia que me indicou. Ele já fazia esse trabalho por lá e me indicou o projeto. Depois disso vim pra Arcoverde e implantei a Eccos. E tudo deu certo. Depois a ideia foi expandir para a região.
Você não é arcoverdense? Como chegou aqui?
Christiano Marcus - Sou natural de Paulo Afonso, mas tenho família aqui e resolvi vir para Arcoverde iniciar o meu sonho de Empreendedor, colocando em prática meus 16 anos de experiência no comércio. Iniciei o projeto das sacolas ecológicas e migrei para a mídia digital indoor e a cidade abriu as portas para os nossos projetos. Arcoverde realmente é uma cidade de empreendedores.
Como você avalia o crescimento que a sua empresa teve de 2014 pra cá?
Christiano Marcus - Nosso crescimento foi surpreendente! Além do esperado! O projeto  nasceu no meio da maior crise que o país já passou, mas conseguimos enxergar na crise oportunidades e vimos que a região era carente desse nicho de serviço que só era encontrada nos shoppings em Recife.  Estamos crescendo em média 30% ao ano e trabalhando a passos acelerados a expansão na região.
Quais os planos da Eccos Tv para 2018?
Christiano Marcus -

Pra 2018 o nosso foco será a expansão das franquias pra parceiros que queiram colocar esse projeto em qualquer cidade do Brasil. Estamos fazendo uma pesquisa de mercado pra implantar a Eccos TV  em duas cidades uma em Pernambuco e outra na Paraíba. Se Deus permitir.

Por Amannda Oliveira, Blog Falando Francamente

domingo, 12 de novembro de 2017

III ENCONTRO DO ORGULHO AFRO LUIZ ELÓI DE ANDRADE ACONTECE EM ARCOVERDE




O Encontro do Orgulho Afro: Luiz Elói de Andrade, é um projeto da professora Márcia Moura, desenvolvido com os alunos do EREM Carlos Rios em parceria com Lula Moreira e a Orquestra Sertão e que teve inicio em 2015 em homenagem ao militante e defensor da cultura negra na cidade de Arcoverde e região - Luizão, que durante 25 anos realizou um trabalho de militância nas escolas arcoverdenses, inclusive no Carlos Rios, com palestras e ações com o objetivo de combater o preconceito racial e as discriminações tão comuns na escola e na sociedade , esclarecendo as agressões sofridas pelos negros e afrodescendentes sertanejos e fortalecendo a auto-estima de nossos jovens, tendo inclusive  criado um jornal de circulação mensal que resistiu durante mais de quinze anos e apresentou–se como um riquíssimo instrumento de informação e material didático, que na sala de aula da professora foi muito usado; já que o seu objetivo maior sempre foi estudar a história da África e contribuir com o fortalecimento da auto-estima de seus alunos, mostrando uma história de riqueza cultural, de resistência e a contribuição do povo africano e da mãe África no nosso país.

Acreditando que o combate ao racismo e a toda e qualquer forma de preconceito só acontece a partir do momento que somos esclarecidos e conhecemos a diversidade humana e a história dos que fazem nosso dia a dia na escola, além de leituras e debates, o mês de novembro é referendado como o mês da consciência negra e o momento de refletir sobre a intolerância e violência que sofremos ao longo da história e celebrar as diferenças num grande encontro, onde é feita uma roda de conversa e de afirmações étnico-raciais e de mostrar a importância e beleza de ser negro, tão negada nos livros e nas salas de aula, que mesmo com a Lei n. 10.639/2003, que obriga as escolas a trabalharem a história da África, não garante que os jovens tenham um olhar positivo sobre o ser negro, pois, muitas vezes, vemos  que se mostram apenas a história da escravidão e de um passado de sofrimento, ao invés de mostrar a resistência de um povo e contribuir para que a africanidade seja motivo de orgulho e que o reconhecimento e aceitação do ser negro aconteça de forma positiva e feliz no ambiente escolar e saia do mesmo para sua família e para a sociedade que ele convive e atua como cidadão.Por tudo isso, as discussões e estudos são levadas para fora dos muros da escola, fazendo um momento impar, onde alunos e professores que lecionam nas turmas envolvidas no projeto participem de momentos onde os desafios do cotidiano escolar sejam superados com a beleza da valorização das nossas africanidades com nossas brasilidades.

Desde o primeiro ano do projeto a professora contou com a importantíssima colaboração de Lula Moreira e da orquestra Sertão, realizando inclusive os dois primeiros encontros no Ponto de Cultura no CECORA e em 2017, já aconteceram duas belas ações para afirmar o novembro negro, que foi a apresentação do Maracatu Sertão na quadra do EREM Carlos Rios e o Poket Show: Orquestra Sertão canta Chico César, bem como a oficina de colares afro que teve a frente as Professoras Ana Paula e Cléa Camelo com a contribuição da professora Clecilene Lima, bem como a importante parceria do artista plástico Givaldo Silva (Bob), que fará a direção da performace e desfile que coroa o evento, juntamente com o afoxé da orquestra Sertão e das apresentações  de artistas arcoverdenses que se colocam a disposição e dão uma enorme contribuição para que os alunos e a comunidade que se faz presente tenham uma tarde de orgulho das nossas raízes. O professor Jaelson contribui com o debate e faz a locução do evento. Esse ano acontecerá no Espaço do teatro municipal de Arcoverde, que a prefeitura gentilmente cedeu para que a nossa festa tenha muito mais axé e será ambientado com a criatividade e carinho de nossos alunos, dirigidos pelo artista Mayke Oliveira, ex aluno da escola e militante da causa afro –sertaneja.

III Encontro do orgulho afro Luiz Elói de Andrade será na próxima segunda-feira às 15h no espaço do Teatro Municipal do CECORA com apresentações musicais de alunos e artistas populares, roda de conversa, performace e desfile.


Colaboração e fotos Professora  Márcia Moura

terça-feira, 31 de outubro de 2017

EM NOVEMBRO ACONTECE O TRADICIONAL ENCONTRO DE BOIS EM ARCOVERDE




A Liga Cultural de Bois e Similares de Arcoverde realiza nos dias 18 e 19 de novembro o III Encontro de Bois e Ursos da cidade. O evento que esse ano homenageia o compositor, ator e presidente da LICBOIS Everaldo Marques acontece na Estação da Cultura e terá no dia 18 diversas ações formativas. Já no dia 19, acontecem os desfiles das agremiações de Bois e Ursos à partir das 15h.

O COCAR apoia este evento de grande visibilidade para a cultura arcoverdense, sendo inclusive a entidade que deu início, junto com a Liga de Bois, à realização destes eventos, tendo produzido a festa no período dede 2009 a 2013.

O Boi Maracatu, agremiação presidida pelo homenageado abre a programação no dia 19, com a performance "Meu Arcoverde", uma composição de Everaldo Marques com arranjos da orquestra Boi Maracatu. Em seguida acontece o espetáculo Obá Aiyê (grupo cultural de matrizes africanas) saudando os orixás e logo depois, começam os desfiles dos bois e ursos seguindo a ordem abaixo:

Bois

Boi Maracatu (Arcoverde)
Boi Estrelinha (Tacaimbó)
Boi Misterioso (Arcoverde)
Boi Cafuné (Arcoverde)
Boi Boiola (Arcoverde)
Boi Maluco (Arcoverde)
Boi Milagroso (Arcoverde)
Boi Fantástico (Arcoverde)
Boi Arco de Ouro (Arcoverde)
Boi Estrela Solar (Arcoverde)
Boi Arcoverde (Arcoverde)
Boi Dourado (Arcoverde)
Boi Valente (Arcoverde)
Boi Alegria (Arcoverde)
Boi Bola de Fogo (Arcoverde)
Boi Estrela Maluquinha (Arcoverde)
Boi Maracatu (Arcoverde)

Ursos: 

Urso da Peleja (Arcoverde) 
Urso da Bagunça (Arcoverde) 
Urso da Cara Preta (Arcoverde) 
Urso Catatau (Arcoverde) 
La Ursa Rosinha (Arcoverde) 
Urso Atrevido (Arcoverde) 
Urso Vira Mundo (Tacaimbó) 
Urso Pé de Lã (Arcoverde)


colaboração: Amannda Oliveira

 

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

SERTÂNIA REALIZA FESTIVAL LITERÁRIO


O FLIS- Festiva Literário do Sertão é um evento que acontece há dez anos ,realizado pelo conjunto de entidades e coletivos culturais e literárias de Sertânia tais como ACORDES- Associação Cultural de Sertânia, SAPECAS- Sociedade dos Poetas, Escritores, Compositores e Artistas de Sertânia , Portal Casa dos Poetas , Jornal de Poesia Cabeça de Rato e Biblioteca da Escola Jorge de Menezes. Durante o evento acontecem debates, recitais, lançamentos, shows, oficinas, cortejos, etc. O FLIS se carateriza por ser voltado para os escritores da região do Sertão, buscando o intercâmbio entre os autores e leitores das diversas microrregiões sertanejas,voltando sempre seu foco para o entorno do público, contribuindo para aprofundar o reconhecimento de sua identidade cultural. Neste sentido, o Festival procura ser um espaço voltado para autoria e para as literações do Sertão Moxotó do Ipanema, enquanto Sertão das Letras e das Artes e suas respectivas cores locais. O Tema desta edição é Literatura , Diálogo e Respeito”.

A abertura será na Escola Professor Jorge de Menezes , dia 25 de outubro de 2017, a Palavra em Cena, com apresentação de seis peças teatrais da Escola de Referencia em Ensino Médio Olavo Bilac. O Palavra em Cena é um Tributo in memorian aos 25 anos da morte do poeta, compositor e dramaturgo Waldemar Cordeiro- O Gênio do Lirismo. No dia 26 de outubro ocorrerá IV Caminhada Poética de Sertânia a partir das 09 horas, com concentração e saída na Escola O Pequeno Príncipe, percorrendo a Avenida Agamenon Magalhães, reunindo poetas e escritores da cidade e região, além de alunos e professores das escolas públicas locais, que sairão declamando poemas pelas principais ruas de Sertânia . 

A Caminhada irá reverenciar a Memória do Poeta , compositor e músico Walmar Belarmino pelos vinte anos de sua partida. No período da tarde, a partir das 14 horas, haverá a I Feira do Livro sertanejo, com apresentações de trabalhos e projetos das escolas Jorge de Menezes( Literatura de Cordel, Valorização poética de Sertânia e Clube da Leitura, e EREMOB ( Recital de Vinicius de Morais e Bolero). O pastor Edson Soares falará sobre o Projeto Eu Gosto de Ler, bem como Exposição do SESC Arcoverde sobre a obra do poeta e escritor Carlos Alberto Cavalcanti, homenageado oficial do X FLIS, e professor do CESA (Arcoverde-PE).

Estandes da Livraria Casa Progresso (Monteiro PB), Livraria Cabras do Moxotó, Loja da SAPECAS e a Cordelaria Cordel de Sertânia para o Mundo compõem a Feira Literária que homenageia o Poeta Alcides Lopes de Siqueira, celebrando os 20 anos de falecimento do Poeta Alcides Lopes de Siqueira, O Menestrel Armorial, e acontece em frente a Casa dos Poetas, point principal da poesia da região, que possui um rico acervo poético e é palco de recitais, declamações e pequenos shows. 

No período da noite, a a partir das 19 horas, em frente a Casa dos Poetas teremos o Sarau da Resistência, homenageando poeta Jansen Filho (Monteiro-PB), com Recital de Poesia e Música que a participação dos talentos jovens Mané Galego(John) e Victor Gabriel (EREMOB), Emanuelly Dantas e Jaciel Bezerra (EPJM) , João Carlos Jansen Filho (Homenageando o seu tio avô Jansen Filho), poetisas do LiteraCariri (Coletivo da UEPB- Universidade Estadual da Paraiba), Zé Luiz e Candeeiro Encantado, Thayana Campos, (Monteiro-PB), ), Irasson Bezerra (Arcoverde-PE), Túlio Araújo (Arcoverde-PE), Leandro Vaz, (do Núcleo do Laboratório de Autoria Literária do SESC), Genival Poeta(Pesqueira-PE) e Kleber Araújo (Coletivo Cultural de Arcoverde-COCAR), Poetas da SAPECAS-Sociedade dos Poetas, Escritores, Compositores e Artistas de Sertânia , Wilson China( Lajedo-PE), Paulo Melo (Garanhuns-PE), Roberto Lopes (Sertânia-PE / Fortaleza-CE).

O FLIS foi vencedor do Prêmio Nacional Viva a leitura, 2009, dos Ministérios da educação e da cultura, além da Fundação espanhola Santilianna, o que fez Sertânia ser reconhecida como Capital literária do Sertão e berço nacional de poetas e escritores. 

por Josessandro Andrade

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

PEDRA REALIZA GRANDIOSO EVENTO CULTURAL


Entre os próximos dias 28 de setembro e 1º de outubro, a Prefeitura da Pedra, através da sua secretaria de Cultura, realiza o 1º Festival Cultural da Juventude. O evento, que tem o apoio do Sebrae, do Senar, do Sesc e da Fundarpe, contará com o Polo Teatro Sesc, na Praça Imaculada Conceição, e o Polo Multicultural, na Rua da Feira, onde se apresentam atrações como Santana - O Cantador, Almir Rouche, Romero Ferro, Benil e Ivo & Banda BS.

No Polo Teatro Sesc, estão previstas dezenas de atrações durante todo o período do Festival. Entre as apresentações confirmadas estão o Reisado São José (Pedra-PE), a Quadrilha Junina Flor de Chita (Tupanatinga-PE), o Mestre Ciço Gomes com o Samba de Coco Trupé, Coco Raízes, Reisado das Caraíbas e Sertão Maracatu (Arcoverde-PE) e Luciano Magno (Recife-PE).

Os espetáculos RE-TE-TEI, da Tropa do Balaco Baco e Revolta no País dos Retalhos, do Teatro de Retalhos - ambos aqui de Arcoverde - estão programados para os dias 29 e 30 de setembro, respectivamente. Confira a programação completa no cartaz que ilustra a matéria.

Uma mesa redonda com o tema Falando de Cultura será realizada no dia 30, no Clube Polimático, a partir das 8h40. Estarão presentes o prefeito do município, Osório Filho, a presidente da Fundarpe, Márcia Souto, o presidente da Empetur, Adailton Feitosa,  a chefe da regional do Ministério da Cultura, Maria do Céu, o diretor da Rede Globo Nordeste, Arísio Coutinho, entre outros.

Também estão previstas oficinas - na Escola Amália Cavalcanti - com temas voltados à cultura empreendedora, teatro, dança, música, grafitagem e fotografia, entre outros. Confira todos os temas das oficinas e onde acontece cada uma delas no cartaz abaixo. Já na Quadra Poliesportiva será realizado - no dia 1º de outubro - o encontro Regional da Moda, a partir das 20h.

 
Gincana Cultural - A abertura da primeira edição do Festival Cultural da Juventude da Pedra será às 13h do dia 28 de setembro, na Quadra Poliesportiva do município, com a realização da 1ª Gincana Cultural Escolar. Na oportunidade, estudantes das escolas municipais participam de atividades culturais numa competição onde todos saem ganhando conhecimento e muito aprendizado.

Serviço:
1º Festival Cultural da Juventude
De 28/09/2017 a 01/10/2017
Pedra - PE
Outras informações: (87) 3858-1184

Por Zalxijoane Lins.
Artes: Reprodução Facebook/Prefeitura da Pedra.

domingo, 3 de setembro de 2017

MAIS HOMENAGENS A JOÃO SILVA EM ARCOVERDE


Escola EREM Carlos Rios
É fato, o povo de Arcoverde não esquece de João Silva. Mais homenagens virão este mês de setembro. Na quarta-feira dia 06, a escola estadual EREM Carlos Rios em parceria com o COCAR - Coletivo Cultural de Arcoverde realizarão um Café Musical em homenagem aos 56 anos da instituição educacional. 

Neste evento, com início às 15h, haverá um bate papo cultural entre o cantor e compositor arcoverdense Kleber Araújo e os alunos e professores da escola. Na roda de conversa, mediada pela professora Márcia Moura, o artista falará sobre a influência de Luiz Gonzaga e João Silva na sua obra musical e responderá a questionamentos da platéia. 

Além da conversa, haverá muita música com a presença dos convidados Leandro Vaz, Sérgio Coringa, George Silva, Assis Calixto, Cícero Pequeno e Paulinho do Forró. Esse evento contará ainda com a presença de ex-alunos, ex-professores e pessoas da comunidade cultural de Arcoverde.


No dia 11, data em que se comemora os 89 da emancipação política do Município, a escola EREM Carlos Rios participará do desfile cívico prestando homenagem a João Silva. Alas de estudantes vestidos de trajes típicos juninos farão reverência ao compositor arcoverdense, que terá músicas de sua autoria executadas pela banda marcial e ao final por um sanfoneiro.



João Silva vive!!!

Kleber Araújo e João Silva
FOTOS: Lucas Oliveira e acervo do COCAR

sábado, 19 de agosto de 2017

DESTRUIÇÃO DE PAINEL LITERÁRIO EM SERTÂNIA É REPUDIADO PELO COCAR


Painel Literário desfigurado
Em janeiro passado, noticiamos neste espaço com orgulho o lançamento do Projeto Painel Literário de Sertânia, mediante o qual a antiga estação de trem foi decorada com poemas de artistas da terra ilustrados com gravuras. No painel foram contemplados poemas de dramaturgos, escritores de literatura infantil, contistas, romancistas, memorialistas, poetas e escritores, além de compositores e musicistas. Diversos desses poemas foram ilustrados por pinturas a óleo.

Esta semana, o COCAR recebeu com profunda indignação a notícia de que a atual gestão do Município vizinho havia determinado, sem qualquer justificativa, a destruição deste trabalho, em ato que para nós representa um profundo desrespeito com os artistas envolvidos e principalmente com a comunidade sertaniense que ficará privada de ter acesso ao conteúdo cultural apresentado no painel, hoje totalmente destruído.

Até o momento não tivemos notícia de qualquer justificativa para este ato grotesco, que demonstra falta de sensibilidade e desprezo pela preservação e divulgação da riquíssima literatura da querida cidade de Sertânia.

Diante do acontecido, nós do COCAR prestamos a nosso integral solidariedade à da Casa dos Poetas e à SAPECAS - Sociedade dos Poetas, Escritores,Compositores e Artistas de Sertânia, entidades parceiras que tiveram a iniciativa de criar o Painel Literário, provendo a cidade de um espaço cultural de grande valor para sua comunidade.

Como defensor intransigente da cultura do Moxotó, o COCAR manifesta aqui a sua revolta e aguarda manifestação da gestão municipal no sentido de reconhecer o erro e convidar as entidades e artistas envolvidos na construção do painel gráfico-literário para sua rápida restauração.

FOTO: Diário de Sertânia



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

FILHOS DE JOÃO SILVA ENVIAM CARTA DE AGRADECIMENTO A ARCOVERDE

Ao saberem da homenagem que estava sendo prestada ao seu pai em Arcoverde pela passagem dos 82 anos do seu nascimento, os filhos do compositor arcoverdense João Silva enviaram carta de agradecimento endereçada ao COCAR - Coletivo Cultural de Arcoverde, com o seguinte teor:

               "Nós, Lúcia, Margareth, João Carlos, Luciane, Luciete e Carlos Alberto, filhos de João Leocádio da Silva, o João Silva, filho tão amado desta terra vimos, através do seu biógrafo, José Maria Almeida Marques, expressar nossa mais sincera alegria e agradecimento ao povo de Arcoverde que, através do COCAR, promove este evento, tão significativo, para comemorar os 82 anos de nascimento do nosso saudoso e querido pai.

       Sabemos nós, os filhos, o quanto nosso pai amava sua terra. Quanto se orgulhava dela. Tal amor se transformou em música; "Arcoverde Meu", "Porteira do Sertão", " Nem se despediu de mim" e por aí vai.

       Nosso pai, através de sua cidade, desde as Caraíbas cantou todas as belezas do sertão. O vaqueiro, o umbuzeiro, as manhãs de chuva, os amores perdidos e os achados. Ele fez da arte de compor o maior objetivo de sua obra. E dizia orgulhoso: - eu vivo da minha arte.

       E nosso pai foi feliz na sua empreitada. Encontrou no seu caminho o Rei Luiz Gonzaga, o qual, como ninguém, soube dar valor à pureza e a força da poesia de João Silva. ... filho tão amado por esta terra. Sua terra.

       E, como é de todos conhecido, a poesia de João foi de grande valor para Seu Luiz. Graças ao LP Danado de Bom, Gonzaga fez o maior sucesso da sua carreira, ganhando seu primeiro disco de ouro.

       Aliás, nos últimos cinco anos da vida de Gonzagão, lhe foi João Silva parceiro é amigo fiel e no último show do Rei, no Teatro Guararapes, em 1989, servindo-lhe de voz guia. E lá vieram, "Uma pra mim, uma pra tu", "Vou te matar de cheiro", "Pagode russo", "Forró de cabo a rabo", "Vê se liga para mim",  além de outras obras primas da parceria Gonzaga e João.

      Nesta ocasião, portanto, agradecidos de todo coração, pedimos às autoridades desta terra que não esqueçam seu poeta maior. Se possível criem aqui o Memorial João Silva, para guardar toda a memória do artista. Se não for pedir muito, gostaríamos, ainda, de ver uma placa na BR 232, onde estivesse escrito: ARCOVERDE A TERRA DE JOÃO SILVA.

      Por fim, pedindo as bençãos à Nossa Senhora do Livramento, queremos dizer:
      - viva Arcoverde
      - viva João Silva."

JOÃO SILVA, MERECIDA HOMENAGEM EM SUA TERRA




João Leocádio da Silva, compositor arcoverdense e Patrimônio Vivo da Cultura Pernambucana, falecido no final de 2013, recebeu nos dias 15 e 16 de agosto da comunidade arcoverdense uma merecida homenagem na data em que estaria completando 82 anos.

O evento JOÃO SILVA, ARCOVERDE NÃO SE ESQUECEU DE TI, foi realizado pelo COCAR - COLETIVO CULTURAL DE ARCOVERDE, não por acaso, posto que João Silva tinha uma relação bastante próxima com os integrantes do COCAR, tanto que foi o coletivo arcoverdense que indicou o nome do compositor para concorrer ao Prêmio Patrimônio Vivo, promovido pela FUNDARPE, o qual lhe foi concedido em 2012. A nós do COCAR ele externou que um dos seus maiores desejos era ter a obra musical reconhecida em sua Terra Natal.

E foi com o objetivo de dar a obra de João Silva o relevo merecido que o COCAR resolveu realizar este evento comemorativo, o qual foi principalmente voltado para os estudantes, como forma de passar para as novas gerações a dimensão de quem foi este artista no cenário musical brasileiro.

A abertura da celebração ocorreu na tarde de ontem na Escola Técnica Estadual Prof. Jonas Costa, que acolheu dentro do Projeto Café Literário a exibição do vídeo Na Sala do Compositor João Silva de Dewis Caldas (Maranhas Filmes), seguida de uma produtiva roda de conversa com o biógrafo e parceiro de João Silva, José Maria Marques. O diálogo foi acompanhado pela Gestora Lúvia Bezerra e sua equipe que propiciaram uma intensa participação dos estudantes, os quais demonstraram muito interesse em conhecer a história do compositor e as suas principais músicas.

O Café Literário da ETE contou com a participação de mais de 500 pessoas (estudantes, professores e público externo) e a exibição do vídeo e o debate teve que ser realizado em dois momentos devido à limitação de espaço.

O escritor José Maria Marques na ETE - Arcoverde

À noite, a Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde - AESA abriu as portas para debater A Importância da Obra de João Silva para a Música Brasileira também conduzida pelo escritor e poeta José Maria Marques. Estiveram na mesa representando a instituição os Professores Maria do Carmo (Coordenação do Curso de História); Edmilson Sá (Coordenação do Curso de Letras), Carlos Alberto Cavalcanti e Otacílio Góes e pelo COCAR, o Diretor Draiton Moraes.

O debate com cerca de duzentos estudantes do curso de História e Letras transcorreu, como era de se esperar, em altíssimo nível tanto nas perguntas quanto nas observações trazidas da platéia, ali surgiu inclusive a ideia de se criar em Arcoverde o Memorial João Silva, como forma de preservar a história de um dos personagens mais brilhantes da cena musical brasileira. O palestrante chamou atenção que tal iniciativa colocará Arcoverde em destaque como um lugar que cuida de sua cultura e de sua história.

Debate na AESA
Na manhã do dia 16 (data do aniversário), a homenagem foi realizada no Centro Comercial de Arcoverde - CECORA, onde recentemente foi criada uma rua temática com o nome Compositor João Silva. A equipe do CECORA cuidou de preparar o espaço para receber exposição da obra e fotografias do homenageado, execução de suas músicas em radiola, lançamento do Cordel, declamação e apresentação musical do Quarteto Sabiá. O local foi visitado por cerca de duzentos estudantes da Escola Estadual Carlos Rios, acompanhados de equipe de professores, que já haviam introduzido o tema em sala de aula, mediante exibição de um documentário com entrevista em que João Silva relata a sua história.

Manhã festiva no CECORA
Estiveram presentes ao evento, dentre outros, Hélio Neves (colecionador da obra de João Silva), Gicivaldo Gallindo (autor de Cordel em homenagem a João Silva), Edilza Vasconcelos (Presidente do COCAR), Paulo Sérgio Diniz (Diretor do CECORA), Márcia Moura (Professora), os poetas Hugo Araújo, Túlio Araújo, Diosman Avelino, além numeroso público que frequenta o Centro Comercial.

A equipe do COCAR sente-se muito feliz em poder dar sua contribuição no sentido de divulgar e valorizar a obra deste filho de Arcoverde que é considerado um dos maiores compositores da música brasileira. Não poderíamos deixar de lembrar os parceiros: Hotel Monteirão, CECORA, Escola Carlos Rios, da Escola Técnica Estadual Prof. Jonas Costa, Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde - AESA, do Centro Integrado de Cultura e Arte - CINA, blogs De 1ª Categoria e Falando Francamente, Clube do Vinil e Maranhas Filmes.

FOTOS: COCAR





quarta-feira, 9 de agosto de 2017

DOCUMENTÁRIO NA SALA DO COMPOSITOR JOÃO SILVA SERÁ EXIBIDO NA CELEBRAÇÃO DOS 82 ANOS DO NASCIMENTO DO MESTRE




Dentre inúmeras produções em vídeo com João Silva, o COCAR selecionou o documentário na Sala do Compositor João Silva, do cineasta maranhense Dewis Caldas da Produtora Maranha Filmes. A escolha se deu pelo fato de ser um filme produzido na intimidade do Mestre, em um clima bastante informal, que o deixou bastante à vontade para falar de suas origens e trajetória. Vale lembrar que foi uma das últimas matéria realizadas com o compositor neste formato.

Escolhido o material, o COCAR entrou em contato com o Diretor, que se mostrou bastante receptivo e entusiasmado com a ideia de seu filme ser veiculado em evento na Terra de João Silva. Chegou até a manifestar a vontade de conhecer Arcoverde e mais sobre a sua diversidade cultural.

SINOPSE DO FILME

O filme Na sala do compositor João Silva é uma conversa íntima com um dos maiores compositores brasileiros, festejado em diferentes gerações, tanto pelo público quanto pela crítica. É difícil encontrar alguém que não conheça canções como Pagode Russo, Nem se despediu de mim, Danado de Bom, Pra não Morrer de Tristeza, que são hinos da música nordestina. Em seu apartamento, no Conjunto Pernambucano, no bairro da Boa Viagem, em Recife, João falou sobre o início da carreia, discos, composições e momentos marcantes na vida daquele que é considerado um gênio dos bastidores do mercado fonográfico e um dos mais bem-sucedidos produtores musicais brasileiros de 60 a 80.
As suas mais de duas mil composições gravadas fazem parte de uma enciclopédia musical brasileira construída ao longo de 70 anos de carreira, que teve o rei do baião como maior intérprete (Luiz Gonzaga gravou 88 músicas do compositor). Nascido na cidade de Arcoverde, região da caatinga pernambucana, aos 17 anos decidiu ir tentar a sorte como artista no Rio de Janeiro. Quando voltou, quase cinquenta anos depois, as músicas de João tinham atingidos todas as esferas do forró, do universo do samba, e de outras especialidades rítmicas (e de gênero musical), que ele dominava como poucos.

Direção Dewis Caldas, uma produção Maranhas Filmes

EU E O MESTRE JOÃO SILVA, POR DEWIS CALDAS

Novembro de 2012, Recife - Pernambuco. Já era noite quando liguei para o celular do João Silva. Eu tinha acabado de acompanhar a entrevista do Quinteto Violado nos estúdios da Radio Folha Fm, no programa Forró Iaí, comandada pelo compositor Xico Bezerra. Caí lá de paraquedas a convite do Quinteto para que pudéssemos realizar uma entrevista sobre Gonzagão com os músicos numa das salas da rádio. Após tudo conversei um pouco com a equipe do programa, contei do projeto de um filme sobre o centenário de Luíz, e a programadora me deu o número "novo" de João e me contou da sua volta para o Pernambuco para morar depois de mais de quarenta anos. Segurei a respiração e "oi, desculpe por ligar tão tarde, eu sou um jornalista que mora em Mato Grosso e estou gravando um documentário sobre o Gonzagão, o senhor poderia me dar um depoimento em vídeo?" e joão se vira todo, "mas quem disse que oito horas da noite é tarde, e pode vir sim, amanhã, só se for bem cedo", falou do jeito arretado que lhe é famoso. Mal batia as 7h30 e eu estava numa avenida do bairro da Boa Viagem com ele ao telefone de novo: "ei, não tô achando o ponto que tu está me esperando", já rolava até uma intimidade. cinco minutos depois eu o avistei, sentado todo impaciente numa cadeira da lanchonete de um supermercado. ERA O MITO. Acenei e gritei pelo seu nome. Sentei e expliquei a narrativa de como seria a entrevista, ele gostou. Saquei a câmera e já fui gravando — na rua mesmo – enquanto percorríamos o caminho até o seu apartamento, a poucos metros dali. Durante toda a manhã conversamos não só sobre luiz gonzaga, mas sobre sua infância, obra, composições e da sua relação com a música, quase sempre nos bastidores dos discos, sendo uma dos mais produtivos produtores musicais brasileiros de 60 a 80. As suas mais de 2 mil composições, gravadas por todos os grandes astros da música brasileira que você possa imaginar, fazem parte de uma enciclopédia musical brasileira construída ao longo dos 50 anos de carreira. Mesmo sem me conhecer, João Silva me atendeu muito bem, acho que ele sabia que aquele momento renderia uma história para a vida inteira. ERA O ARTISTA.

SOBRE DEWIS CALDAS

Cineasta Dewis Caldas
Nascido entre o Norte e o Nordeste do Brasil, na ilha de São Luís - Estado do Maranhão, o jornalista Dewis Caldas já dirigiu mais de quarenta documentários dentro e fora do Brasil, tendo a música tradicional e acultura de raíz como tema principal de suas pesquisas. Tal qual seus filmes e inúmeras reportagens, suas foto jornalísticas imagens tem a pretensão de um documento histórico, destacando a música e o cotidiano das cidades como pretexto etnográfico.

FOTOS: Dewis Caldas