teste

sexta-feira, 4 de julho de 2014

MORRE EM ARCOVERDE O SANFONEIRO NEGO DE ADÉLIA


O Mestre Nego de Adélia na comemoração do centenário do Rei do Baião
 
Faleceu nesta madrugada, de morte natural, o sanfoneiro Nego de Adélia. O corpo será velado na casa da família, Rua F, Cohab I, em Arcoverde e o sepultamento ocorrerá amanhã, dia 05/07, no Sítio Mocó, no Distrito das Caraíbas.

Jonas Alexandre dos Santos, natural das Caraíbas, Distrito de Arcoverde, aos dez anos iniciou-se na música tocando fole de oito baixos, por influência do seu pai, que era sanfoneiro. Fez as primeiras apresentações ao lado do pai, tocando em festas religiosas, casamentos, aniversários e eventos diversos.

Ainda jovem foi tentar a sorte no Sudeste, radicando-se em São Paulo, onde por vários anos apresentou-se em festas freqüentadas pelo público nordestino, fazendo muito sucesso.

Foi por muitos anos integrante do grupo de cultura tradicional Reisado Encantado das Caraíbas, no qual se apresentou em eventos na cidade de Arcoverde e Região e até na Capital do Estado.

No I Encontro de Sanfoneiros de Arcoverde, em reconhecimento ao seu trabalho, foi presenteado com um novo instrumento, o qual foi adquirido da coleção do famoso Arlindo dos Oito Baixos pelo médico e também sanfoneiro Carlos Lacerda.

O artista, que era o único sanfoneiro de oito baixos da região, também conduzia uma carreira solo, com o grupo “Nego de Adélia e Seus Oito Baixos de Ouro”.

Nos últimos três anos se apresentou com frequência nos eventos em Arcoverde, tendo participado dos encontros de sanfoneiros promovidos pelo SESC e do Festival Pernambuco Nação Cultural do Sertão do Moxotó.

No ano passado, Nego de Adélia se apresentou no projeto Cultura Livre nas Feiras no dia de São João, data que integrou também o grupo de sanfoneiros que acompanhou a III Caminhada do Forró de Arcoverde promovida pelo COCAR.

Em dezembro passado, no velório do compositor João Silva , que também era do Distrito de Caraíbas, Nego de Adélia tocou em  homenagem ao conterrâneo.

O Mestre sempre dizia: “ é fundamental que o meu trabalho com o fole de oito baixos seja apresentado aos mais jovens, para que essa bonita arte não se perca no tempo”.

Arcoverde está desfalcada de mais um grande artista. 

O COCAR  se solidariza com a família e os amigos neste momento de enorme tristeza.

foto: Coletivo Fora do Eixo